CAPA_ABAP

O bairro da Vitória segue como a localidade com o preço mais valorizado, seguido da Barra, Horto Florestal, Graça e Ondina

 

Após acumular queda no último ano, o valor da casa própria para venda voltou a subir no segundo trimestre de 2017. Segundo o levantamento de Dados do Mercado Imobiliário realizado pela plataforma digital Viva Real (DMI-VivaReal), o preço por metro quadrado de um imóvel na capital baiana alcançou um crescimento de 4,52% em relação ao mesmo período do ano passado, quando custava R$ 4.951, ao atingir o valor de R$ 5.175.

 

Em comparação ao primeiro trimestre deste ano, a valorização chegou a 0,62%. A média nacional do preço ficou em R$ 4.833/m². “O aumento dos preços no último trimestre é um sinal positivo. Isso mostra uma recuperação sustentável do mercado imobiliário”, destaca o presidente da Viva Real, Lucas Vargas.

Na lista dos bairros mais valorizados para a venda estão  Vitória (R$ 11.500/m²), Barra (R$ 8.184/m²), Horto Florestal (R$ 8.056/m²), Graça (R$ 7.843/m²) e Ondina (R$ 7.500/m²). Do outro lado da lista, Federação (-15,5%), Matatu (-11,1%), Campo Grande (-4,9%), Horto Bela Vista (-3,3%) e Rio Vermelho (-2,9%) são os mais desvalorizados para venda no segundo trimestre de 2017.

“Com aumento contínuo, já se observa o efeito dos avanços macroeconômicos, com diminuição do desemprego, menores taxas de juros e crescimento da economia. Diante dessas condições, as expectativas para o mercado imobiliário são as melhores”, acrescenta Vargas.

O cenário também é visto com otimismo pelo presidente da Associação de Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário na Bahia (Ademi-BA), Cláudio Cunha, que afirma que o mercado iniciou sua recuperação. “O estoque de unidades para comercialização vem diminuindo significativamente, o cliente tem percebido as oportunidades comerciais apresentadas, essa redução traz o início de recuperação dos preços e a tendência de valorização seguirá com uma velocidade cada vez maior”.

Quanto aos bairros mais valorizados, para o vice-presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis da 9ª Região (Creci-BA), José Alberto de Vasconcelos, a Vitória se mantém na posição por conta da vocação nobre e da localização privilegiada.“É um bairro de luxo, localizado em um lugar central com todas as facilidades de mobilidade e serviço para quem mora na área”, destaca.

A Federação foi impactada pela descentralização das universidades, segundo  Vasconcelos. “O acesso é difícil e o bairro não avançou no sentido de oferecer uma infraestrutura completa como outros bairros da cidade, o que diminui a demanda”.

 

Preferidos

A Pituba segue como o bairro mais procurado para adquirir a casa própria, seguido do Imbuí. “O bairro virou uma área central na cidade ao atrair vetores de crescimento para todos os lados. Já o Imbuí, acumula muitos imóveis que foram recentemente construídos naquela região”, pontua o vice-presidente do Creci, que acredita que a retomada de crescimento favorece o momento de compra para quem quer adquirir a casa própria. “O setor ainda precisa alcançar o patamar de mercado. Estes mesmos valores não seriam praticados caso o imóvel fosse lançado hoje”, avalia José Alberto Vasconcelos.

No segundo trimestre deste ano, em faixa de preço, 43,39% das pessoas procuram  imóveis de R$ 171 mil a R$ 350 mil e a oferta relativa desses imóveis é de 25,60%. No que diz respeito ao número de dormitórios, 38,56% procuram imóveis de dois dormitórios e 36,16% desejam três quartos.

VALOR DO ALUGUEL TAMBÉM CRESCE NO TRIMESTRE 

O preço nominal médio do m² para aluguel em Salvador também apresentou alta, conforme aponta o levantamento de Dados do Mercado Imobiliário realizado pela plataforma digital Viva Real (DMI-VivaReal). No segundo trimestre deste ano, o valor ficou em R$ 22,90, com valorização nominal de 1,0% em comparação com o mesmo período de 2016 (R$ 22,67).

Em relação ao primeiro trimestre, a valorização chegou a 5,32% (R$ 21,74). Os bairros que tiveram o preço mais valorizado para aluguel foram o Rio Vermelho (23,2%), Ondina (19,9%), Paralela (10,3%), Barra (0,1%) e Patamares (0,1%). A lista dos bairros com desvalorização no m² para aluguel no mesmo período é composta por Armação (-9,8%), Caminho das Árvores (-7,6%), Costa Azul (-7,2%), Alphaville (-0,7%) e Pituba (-0,5%).

Para o vice-presidente do Conselho Regional de Corretores de Imóveis da 9ª região (Creci-BA), José Alberto de Vasconcelos, o movimento é muito parecido com o que está acontecendo com os imóveis disponíveis para a venda. “A gente percebe o mesmo movimento de equilíbrio na tentativa de readequar o valor de mercado não só no mercado de compra e venda mas também de aluguéis”, afirma sobre os dados da capital baiana.

 

Fonte: Site Correio24horas